Blog do Robson

WTW INTENT CABEADA

Image and video hosting by TinyPic

Compartilhamento:

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Prefeitura do Natal anula concurso da Secretaria de Saúde

A Secretaria de Administração da Prefeitura do Natal decidiu anular as provas aplicadas para o Concurso Público Nº 004/2016, destinado ao preenchimento de cargos da Secretaria Municipal da Saúde – SMS. A decisão foi tomada depois que a Comissão do Processo Administrativo criada para analisar as irregularidades apontadas no dia do concurso finalizou seu trabalho e encaminhou parecer à secretária Jandira Borges. Na sua decisão, a secretária também determina que sejam tomadas as providências para a contratação de uma outra empresa visando a realização de novo concurso público no período de 180 dias.

A portaria, assinada pela secretária Jandira Borges, será publicada na edição desta quinta-feira (1º) do Diário Oficial do Município (DOM) e determina ainda a adoção de todos os procedimentos administrativos necessários à operacionalização do ressarcimento aos candidatos da taxa de inscrição, cujas regras para a devolução imediata serão definidas e divulgadas no DOM, no prazo de dez dias úteis.

A portaria também determina que a Assessoria Jurídica da Secretaria de Administração adote as providências no sentido de rescindir o Contrato nº 008/2016 com a empresa CKM Serviços, contratada através de licitação para a realização do certame, em atenção à Cláusula Décima Primeira, e atendimento ao parecer conclusivo da Comissão do Processo Administrativo nº 036352/2016-81, bem como da aplicação das penalidades previstas no contrato. A SEMAD também encaminhará informações necessárias à Procuradoria Geral do Município para que adote as medidas judiciais cabíveis ao caso.

A Comissão de Sindicância foi instaurada pela Secretaria Municipal de Administração através da Portaria nº 1342/2016, publicada no Diário Oficial do Município no dia 14 de julho de 2016 para apurar eventuais irregularidades no Concurso Público da Secretaria Municipal de Saúde e concluiu seus trabalhos na última sexta-feira.

Por Heitor Gregório

Michel Temer já é o presidente do Brasil

Governista sempre, o presidente do Senado, Renan Calheiros, se declarou a Michel Temer assim que ele foi declarado empossado.

“Estamos juntos”, disse Renan ao apertar a mão de Temer.
presidente interino Michel Temer (PMDB) chega ao Senado para tomar posse como presidente da República.

Pouco antes de ser empossado, o peemedebista mudou sua foto no Twitter e também a descrição: de “Presidente da República em exercício” para “Presidente da República”.


Por Thaisa Galvão

Polícia Civil prende mulher por facilitar estupro dos filhos

Policiais civis da Delegacia de Pedro Velho prenderam, na tarde desta quarta-feira (31) na cidade, uma mulher de 28 anos, suspeita por tráfico e crime sexuais contra os seus próprios filhos. Após investigações, a polícia comprovou a participação da mulher nos crimes, sendo ela facilitadora da realização de abusos sexuais por um homem a seus filhos.

Ele foi preso em flagrante no dia 13 de julho deste ano, quando foram apreendidas diversas pedras de crack em sua residência, sendo o homem acusado pelos crimes de tráfico de drogas e estupro de vulnerável. O casal foi preso e encaminhado ao sistema prisional, onde ficará a disposição da justiça.
Por Robson Pires

Michel Temer toma posse como 41º presidente da história do Brasil

O presidente Michel Temer se tornou nesta quarta-feira (31) no 41º presidente da República Federativa do Brasil, ao prestar juramento em sessão do Congresso Nacional, presididida pelo senador Renan Calheiros, cerca de 3h20min depois da votação em que a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) sofreu impeachment por 61×20 votos.

Temer chegou ao prédio do Congresso pelo menos trinta minutos antes, mas mal conseguia se locomover até adentrar o plenário do Senado, tendo em vista o assédio de deputados federais e senadores que desejavam cumprimentá-lo.
Por Robson Pires

Salário mínimo de Temer será de R$ 945,80 a partir de 2017

O governo de Michel Temer já definiu o salário mínimo a partir de janeiro de 2017. Será de R$ 945,80, com alta de 7,5%, ligeiramente acima da inflação esperada para este ano, de 7,2%.

O valor do mínimo está na proposta de Orçamento da União que foi encaminhado hoje ao Congresso. Pela regra, o governo deve corrigir o piso salarial pela inflação do ano anterior e pelo Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.

Em 2015, o PIB teve queda de 3,8%, mas o governo está desconsiderando isso da previsão do reajuste. Está garantindo a correção da inflação, mais um ligeiro ganho real.
Por Robson Pires

Primeira mulher eleita presidente, Dilma deixa cargo a 2 anos do fim do mandato

Com Dilma Rousseff, é a segunda vez que um presidente perde o mandato no mesmo tipo de processo no Brasil.

Em 1° de janeiro de 2011, ao assumir o mandato como primeira presidente mulher do Brasil no Congresso Nacional, Dilma citou em seu discurso os versos de Guimarães Rosa: "A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem".

Cinco anos e meio depois, ela voltou ao mesmo cenário em que foi empossada para enfrentar o julgamento do impeachment que a afastou em definitivo do cargo, mais de dois anos antes do fim de seu segundo mandato. Ex-ministra do governo Lula e presa política durante a ditadura militar, Dilma Vana Rousseff nasceu em 14 de dezembro de 1947. Filha do imigrante búlgaro Pedro Rousseff e da professora Dilma Jane da Silva, nascida em Resende, no Rio de Janeiro, Dilma tem uma filha, Paula, e dois netos, Gabriel e Guilherme.

Ditadura militar

Dilma Rousseff iniciou os estudos no tradicional colégio de freiras Nossa Senhora de Sion (atual Santa Dorotéia) e fez o ensino médio no Colégio Estadual Central, ambos na capital mineira. 
No ensino médio, em 1964, ela conheceu o primeiro marido, Claudio Galeno, com quem se casou em 1967, ano em que entrou no curso de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e aderiu ao Comando de Libertação Nacional, organização que combatia a ditadura e que se fundiu com a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), formando a VAR-Palmares. A VAR-Palmares fez algumas ações armadas contra a ditadura, mas Dilma, que atuava em estratégia e planejamento, não participou de nenhuma delas. Nas campanhas eleitorais, essa passagem de sua vida era muito explorada.

No ano seguinte, ela e o marido passaram a ser perseguidos pelo regime em Minas Gerais, entraram na clandestinidade e acabaram se separando. Na clandestinidade, como mandavam os manuais de segurança, Dilma usou vários codinomes. Chamou-se Luiza, Wanda, Marina, Estela, Maria e Lúcia. Galeno foi para o exílio.

Em 1969, Dilma conheceu o advogado gaúcho Carlos Franklin Paixão de Araújo, com quem se casou e teve a única filha. Juntos, eles foram perseguidos pela ditadura. Condenada por subversão, Dilma passou quase três anos – de 1970 a 1972 – no Presídio Tiradentes, na capital paulista.

Tortura

No discurso dessa segunda-feira (29) em que foi ao Senado apresentar sua defesa no processo de impeachment, Dilma lembrou a perseguição, a prisão e a tortura sofrida durante o regime militar, episódios que sempre citou ao longa da vida pública. "Na luta contra a ditadura, recebi no meu corpo as marcas da tortura. Amarguei por anos o sofrimento da prisão. Vi companheiros e companheiras sendo violentados, e até assassinados", disse.

A jornalista Rose Nogueira, de 70 anos, foi companheira de prisão de Dilma. Presa em novembro de 1969, separada do filho recém-nascido e torturada, Rose foi levada ao Presídio Tiradentes, em São Paulo, onde conheceu Dilma. As duas dividiram a cela com mais 50 presas políticas.

“Dilma chegou com mais duas moças. Ela era mais jovem que eu e logo marcou presença porque estudava muito. Era muito disciplinada e participava de todas as organizações coletivas. Era o único jeito de suportar aquilo ali. Éramos todas muito machucadas, inclusive com lembranças. Dilma chamava a atenção por isso”, lembrou a jornalista.

“Passei só alguns meses com ela. Saí e fiquei em liberdade vigiada por dois anos e pouco. Dilma ficou três anos presa, mas tudo o que a gente discutia, sobretudo política, tudo para ela era o Brasil primeiro. 'Isso é bom para o Brasil?', perguntava.”

Vida política

Livre da prisão, Dilma mudou-se para Porto Alegre em 1973. Fez novo vestibular e retomou os estudos na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e, em 1975, começou a trabalhar como estagiária na Fundação de Economia e Estatística do governo gaúcho. No ano seguinte, deu à luz a filha Paula Rousseff Araújo.

Com o marido Carlos Araújo, participou da fundação do PDT no Rio Grande do Sul e trabalhou na assessoria da bancada estadual do partido entre 1980 e 1985. Em 1986, o então prefeito de Porto Alegre, Alceu Collares, escolheu Dilma para a Secretaria da Fazenda.

Dilma também foi diretora-geral da Câmara Municipal de Porto Alegre, quando participou da campanha de Leonel Brizola pelo PDT ao Palácio do Planalto em 1989 – ano da primeira eleição presidencial direta após a ditadura militar. No segundo turno, foi às ruas defender o então candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, que foi derrotado pelo representante do PRN, Fernando Collor.

No início da década de 1990, Dilma retornou à Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul, como presidente da instituição. Em 1993, com a eleição de Alceu Collares para o governo gaúcho tornou-se secretária de Energia, Minas e Comunicação.

Em 1998, iniciou curso de doutorado em Economia na Universidade Estadual de Campinas, mas, já envolvida na campanha sucessória no Rio Grande do Sul, não chegou a defender tese. A aliança entre PDT e PT elegeu Olívio Dutra governador e Dilma ocupou, mais uma vez, a Secretaria de Energia, Minas e Comunicação do estado. Dois anos depois, filiou-se ao PT.

Em 2002, Dilma foi convidada a participar da equipe de transição entre os governos de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e Lula (2003-2010). 

Lula a conheceu no Rio Grande do Sul, como secretária de Minas e Energia do governo de Olívio Dutra. No governo Lula, tornou-se ministra de Minas e Energia.

Entre 2003 e 2005, com a criação do chamado marco regulatório (leis, regulamentos e normas técnicas), comandou uma ampla reformulação no setor. Além disso, presidiu o Conselho de Administração da Petrobras, introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira e criou o programa Luz para Todos.

Em 2005, Lula escolheu Dilma para a chefia da Casa Civil. Nesse cargo, ela assumiu o comando de programas estratégicos como o PAC, Programa de Aceleração do Crescimento, e Minha Casa, Minha Vida - chegou a ser chamada de "mãe do PAC".

Ela também coordenou a comissão interministerial encarregada de definir as regras para exploração das reservas de petróleo na camada pré-sal e integrou a Junta Orçamentária do Governo.

O ex-ministro das Cidades e ex-governador gaúcho Olívio Dutra, de 75 anos, que conheceu Dilma na década de 70, quando presidia o Sindicato dos Bancários de Porto Alegre, falou sobre a capacidade técnica de Dilma.

“Dilma tinha um acúmulo de senso crítico, um bom cabedal de informações e conhecimento. Lembro bem que, na época, laptop era coisa rara. Ela foi uma das primeiras pessoas a utilizar muito bem essa ferramenta. Tinha um arquivo considerável, uma avaliação sempre segura”. 

Câncer 

Com perfil enérgico e gerencial, Dilma abandonou o ar sisudo ao revelar que estava com câncer linfático, em 2009. Fez sessões de quimioterapia, perdeu o cabelo e usou peruca por uns tempos. No final daquele ano, os médicos a declararam curada.

Eleição

No dia 3 de abril de 2010, Dilma, que nunca havia disputado um cargo eletivo, deixou a equipe ministerial para se candidatar à Presidência da República pelo PT, com apoio de Lula.

No segundo turno das eleições, em 31 de outubro de 2010, Dilma derrotou o ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB). Aos 63 anos, Dilma Rousseff foi, então, eleita presidenta da República, com quase 56 milhões de votos. A primeira mulher a presidir o Brasil.

Em 2013, foi considerada como a segunda mulher mais poderosa do mundo, atrás apenas da chanceler alemã Angela Merkel, pela revista Forbes.

A reeleição, conquistada também em segundo turno, veio em 2014. No dia 25 de outubro daquele ano, com 54.501.118 votos (51,64%), Dilma foi reeleita, derrotando o ex-governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), que teve 51.041.155 votos (48,36%).

Impeachment

Dos mais de 30 pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff que chegaram à Câmara dos Deputados no ano passado, o então presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acolheu apenas o que foi apresentado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr e Janaína Paschoal, no dia 21 de outubro. A presidenta foi acusada de crime de responsabilidade fiscal e de edição de decretos sem autorização do Legislativo.

Dilma alega inocência, afirmando que não havia infringido a lei, e diz que é vítima de um golpe liderado por Eduardo Cunha e Michel Temer, seu vice-presidente com quem teve uma relação conturbada.

Fernando Collor, primeiro presidente eleito por voto direto após a ditadura militar, foi o primeiro chefe de governo brasileiro afastado do poder em um processo de impeachment.

Com Dilma Rousseff, é a segunda vez que um presidente perde o mandato no mesmo tipo de processo. Aprovado na Câmara e no Senado, o processo entrou na fase de julgamento na última quinta-feira (25). Em maio, ela foi afastada temporariamente da Presidência da República após os senadores acatarem o processo.

Com a saída de Dilma, encerra-se um ciclo de 13 anos de governos petistas.

Fonte: nominuto.com

Polícia Civil divulga imagens do suspeito de assassinar dono de pousada em Ponta Negra

Uma equipe da Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) investiga o caso do assassinato contra o empresário do setor hoteleiro, Ademar Miranda Neto, 58 anos, morto a tiros na noite do dia 07 de junho deste ano, na avenida Engenheiro Roberto Freire, no bairro de Ponta Negra. Através de vídeos coletados pela DHPP acerca do trajeto de Ademar na noite do crime, a polícia identificou um homem como suspeito do caso. As imagens do mesmo estão sendo divulgadas para que a população compartilhe e que, caso haja reconhecimento do suspeito, ligar de forma anônima para o número: 181.

No primeiro vídeo, a vítima entra em um bar e senta-se para consumo, aparecendo em seguida o suspeito, que entra no bar e sai sem consumir nada. No segundo vídeo, o homem aparece em frente ao estabelecimento a qual estava a vítima, e fotografa a mesma no local. Confira as imagens do suspeito no vídeo abaixo:
                   
Por Robson Pires

Scorpions: cinquentões com vigor de garotos

Banda tem seis shows no Brasil marcados. Três deles em São Paulo, nesta quinta-feira, 1º, sábado, 3, e domingo, 4.

Desde que a banda Scorpions anunciou que Sting in the Tail, disco de 2010, seria seu último e seria sucedido de uma turnê de despedida, a trupe veterana do hard rock alemão se apresentou 9 vezes em solo brasileiro – em São Paulo, foram quatro ocasiões. Um número considerável tendo em vista que a banda agora cinquentona iniciou suas vindas para terras brasilis em 1985, no histórico primeiro Rock in Rio, e tem um cartel de 34 shows por aqui – quase um terço dessas performances ocorrem depois do tal “acho que vamos descansar nossas jaquetas de couro”. A numeralha toda tem razão de existir. Apesar dos rumores de um novo fim do Scorpions, a banda segue firme, com um novo disco na mala, Return to Forever, lançado no ano passado, e, é claro, uma nova passagem por aqui. Klaus Meine (voz), Matthias Jabs (guitarra solo), Rudolf Schenker (guitarra-base), Pawel Maciwoda (baixo) e James Kottak (bateria) têm seis shows no Brasil marcados. Três deles em São Paulo, nesta quinta-feira, 1º, sábado, 3, e domingo, 4.

À reportagem, Jabs, responsável pelos solos venenosos do grupo desde que foi iniciada a escalada para a fama da banda, em meados dos anos 1970, falou sobre Return to Forever, um disco no qual o quinteto se propôs a recriar canções nunca lançadas, guardadas como sobras de estúdio ao longo dos 51 anos de carreira da trupe, além da própria longevidade impressionante dele e seus companheiros. Em 2017, a banda vai descansar, mas, de acordo com o guitarrista, parece impossível, para ele e para os fãs, que o Scorpions vá se dar por derrotado diante da idade. “Ainda temos fôlego”, diz o músico de 60 anos. Leia mais:

Por que voltar no tempo e resgatar essas sobras de estúdio e recriá-las para o novo disco?

Voltamos especificamente aos anos 1980 por uma razão. Era a época do vinil e cada um daqueles LPs tinha espaço para oito ou nove músicas. E, normalmente, fazíamos 25 músicas ou trechos para acabar com um número muito reduzido. Pelo menos, a ideia do processo todo era essa. É claro que, quando começa a ser criativo, as pessoas começam a criar novidades. Assim, também surgimos com canções inéditas para esse álbum.

Surpreende você o fato de que as canções novas sejam sonoramente similares às antigas?

Acho que isso tem a ver com o DNA do Scorpions. Tanto nas novas canções quanto nas velhas, ele se faz presente. Ele continua o mesmo, mesmo 30 anos depois daquelas gravações durante os anos 1980. É isso que encaixa tudo no disco.

Mas vocês mesmos eram pessoas diferentes naquela época.

Sim e os anos 1980 foram especiais demais para a gente. Foi quando aquilo hoje conhecido como classic rock se consolidou. E estávamos lá. Fazíamos parte disso e com ele nos desenvolvemos. Entenda, para a gente, era tudo uma grande diversão. Estávamos criando algo novo, era divertido viajar ao redor do mundo. A experiência é diferente agora, mas ainda amamos fazer isso.

Por falar nisso, desde 2010, ouço rumores ou declarações de algum integrante do Scorpions dizendo que a banda iria se aposentar. E, contra tudo isso, vocês estão lançando mais um disco e vindo novamente ao Brasil.

Acho que, quando começamos com isso, em 2010, anunciamos a aposentadoria cedo demais. Sabe, como uma banda de rock, não podemos ficar sentados em um banquinho. É preciso energia. E ainda temos fôlego. No ano que vem, deveremos tirar um tempo de descanso. São, afinal, sete ou oito anos consecutivos de turnês, mas não será o fim.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo/Portal no Ar

JORGINHO CONTINUA A RECEBER ADESÕES POR ONDE PASSA, TANGARÁ ABRAÇA O PREFEITÁVEL JORGINHO BEZERRA

Os tangaraenses vem a cada dia demonstrando todo o seu carinho pelo candidato a prefeito Jorginho Bezerra, e mais família vem a público confirmar seu apoio a este que é sem dúvida um dos maiores líderes políticos de nossa cidade. Confira as nova adesões. 
Na casa de Dona Edelfina, Jorginho foi muito bem recebido, ela e toda a sua família vem se juntar ao bloco liderado por Jorginho e Thiago, ao lado de seu filho Antônio e demais familiares eles pousaram para as lentes do nosso Blog, confirmando assim este apoio. Na ocasião Jorginho estava acompanhado de dois candidatos a vereadores, os amigos Jailson do Catolé e Ivan Pinheiro.

Jorginho também visitou a querida Dona Carmelina Soares, ela que recepcionou o amigo Jorginho ao lado de seu Odilon e de seu neto. Juntos eles pousaram para as lentes do nosso Blog.  



Jorginho também visitou seu aliado político de longas datas, o querido tangaraense Antônio Derso, ele que é irmão do atual vice-prefeito da cidade de Tangará Chicuta, seu Antônio afirmou que apesar de ter seu irmão como vice-prefeito do grupo da situação, ele nunca deixou de acompanhar o bloco político liderado pela família Bezerra, e desta vez não será diferente, ele vai sim caminhar lado a lado de Jorginho Bezerra e Thiago Feliciano.
Na oportunidade seu Antônio também declarou seu apoio ao seu sobrinho Tang, candidato a vereador, o qual vem sendo um forte aliado do prefeitável Jorginho Bezerra.

Outro amigo que nos recebeu em sua casa foi o seu Assis que há mais de 20 anos vinha acompanhando o bloco político liderado pelo ex-prefeito Gija e agora vem para se juntar ao grupo do "22" da coligação Unidos para Avançar, seu Assis declarou total apoio ao amigo Jorginho Bezerra e também ao candidato a vereador Ivan Pinheiro.


Também recebemos o apoio do amigo João Sanfoneiro, ele que confirmou seu apoio aos amigos, Jorginho Bezerra e ao candidato a vereador Tang.

O tangaranse Ricardo também fez questão de registrar seu apoio aos amigos Jorginho Bezerra e ao candidato a vereador Ivan Pinheiro.

O amigo Jesser Nunes também confirmou seu apoio ao prefeitável Jorginho Bezerra, com certeza este será mais um importante apoio para todos da coligação Unidos para Avançar, seja bem vindo amigo Jesser ao grupo da vitória.
O casal Antônio Luiz e Maria Aparecida também, veio somar ao grupo politico liderado por Jorginho e Thiago, juntos este querido casal declarou apoio ao candidato a prefeito Jorginho Bezerra e ao candidato a vereador Ivan Pinheiro.

As irmãs Ceiça Martins e Maria Salete parou para registrar ao lado de seu amigo Jorginho Bezerra, elas que já são aliadas politicas de longas datas da família Bezerra não podia deixar de registrar seu apoio ao prefeitável Jorginho de Carvalho Bezerra.

Uma importante adesão ao grupo político liderado por Jorginho Bezerra e Thiago Feliciano foi registrada neste dia de visitas, desta vez quem vem para somar ao grupo politico da coligação "Unidos para Avançar" foi o querido tangaraense irmão Josias, este querido tangaraense é casado com a jovem Joana D'arc, ele nos recebeu muitissimo bem em sua residência e declarou total apoio ao grupo politico do "22"


Criança de 4 anos morre eletrocutada em Tibau

Luiz Gustavo de Lima brincava próximo à extensão que estava ligada à tomada, quando tocou em um dos fios do equipamento e sofreu a descarga elétrica.

Uma criança de quatro anos morreu nessa terça-feira, em Tibau, no Oeste do Estado, após um incidente com uma extensão elétrica.

Luiz Gustavo de Lima brincava próximo à extensão que estava ligada à tomada, quando tocou em um dos fios do equipamento e sofreu a descarga elétrica.

O garoto teve parada cardiorrespiratória com a intensidade do choque. Ele foi socorrido ainda Tibau e depois levado para Mossoró, mas não resistiu.

Fonte: Portal no Ar

Ex-BBB Matheus anuncia fim do namoro com Cacau: ‘Fizemos planos, mas não deu certo’

Os ex-BBB’s Matheus e Cacau não estão mais juntos. O mineiro usou sua conta no Twitter para anunciar o fim do relacionamento, que começou na 16ª edição do programa. Segundo ele, foi difícil para os dois optarem pelo fim da relação.
“Olá site! Como muitos de vocês perceberam, fiquei um pouco afastado nos últimos dias. Peço desculpas por ter me ausentado tanto, no entanto foi um momento necessário. Na vida, nem sempre as coisas acontecem como a gente imagina ou gostaria que acontecessem. Eu e Cau nos propusemos a viver juntos aqui fora, fizemos planos, mas infelizmente não deu certo e decidimos cada um seguir o seu caminho. Tenho um carinho muito grande por ela, torço muito e sempre torcerei para que ela alcance os seus objetivos e tenha muito sucesso na vida. Decidimos que neste momento é o melhor para nós dois. Espero que entendam e que respeitem a nossa decisão.Não foi uma decisão fácil. Torçam e rezem por nós, para que cada um consiga seguir em frente da sua maneira. Agradeço desde já as mensagens de carinho, as energias positivas e as orações de todos vocês”, escreveu ele.
Cacau e Matheus posam jogados no sofá de casa Foto: Reprodução/ Instagram 
Logo depois, foi a vez de Cacau se pronunciar sobre o fim do relacionamento. "Vim aqui agradecer aos fãs Catheus que acompanharam e torceram por mim e pelo Theu. Vivemos juntos momentos incríveis! Não existe certo e errado, existem duas pessoas que tentaram. Continuaremos na torcida pelo sucesso e felicidade do outro. Agradeço por todo carinho, apoio e respeito de vocês e peço orações para que tudo seja conforme a vontade de Deus", publicou.

Fonte: http://extra.globo.com

TANGARÁ RN - ELEIÇÕES 2016: CONHECENDO MELHOR O CANDIDATO

O Blog a partir de hoje está dando início a matérias direcionadas aos vereadores da coligação "Unidos para Avançar", o objetivo dessas matérias é mostrar para os eleitores um pouco do histórico de vida de cada candidato.

Os candidatos a vereadores novos, serão expostos suas respectivas biografias, e os antigos, além das biografias, serão expostos um pouco sobre a vida pública de cada candidato.

Essas matérias intitulei de "Conhecendo Melhor o Candidato"

As matérias vão ser publicadas, na medida que chegarem as informações sobre cada candidato, estou contactando cada um e solicitando o material.

Iniciei hoje esse novo quadro, com a candidata a vereadora Cileide Semeão da Silva, partido PSB, da Coligação: Unidos para Avançar.

"Conhecendo Melhor o Candidato"

Conhecendo melhor a candidata a vereadora Cileide Semeão 

Biografia da candidata a vereadora Cileide Semeão: 
Cileide Semeão da Silva é Agente Comunitário de Saúde – ACS, tem o curso de Auxiliar de Enfermagem e Cuidador de Idosos, entre outros cursos de qualificação profissional da área de Agente Comunitário de Saúde. É Servidora concursada do município de Tangará/RN, desde 2002 até o momento atual. Filha de Maria Geneci da Silva e José Semeão Estevam, nascida no dia 10/11/77, natural de São José do Campestre/RN, tem raízes de família humilde, com 5 irmãos, união estável com Francisco das Chagas Fernandes Pereira, neto do Saudoso Camilo e tem 4 filhos. 

Cileide iniciou o trabalho comunitário desde 2002, e trabalho político como candidata a vereadora desde 2012 pelo Partido Humanista da Solidariedade - PHS, e neste pleito de 2016 faz parte do Partido Socialista Brasileiro – PSB como candidata pela segunda vez ao cargo de Vereadora, aliada ao Bloco Político da Oposição que tem como chapa Majoritária Jorginho Bezerra e Thiago de Erociano. 

Cileide é uma mulher destemida e aguerrida sonha por dias melhores para a cidade de Tangará e acredita muito na força do povo para alcançar o seu ideal. Ela acredita que a mudança está na mão de cada tangaraense, basta querer! basta acreditar! 
CILEIDE - CILEIDE SEMEÃO DA SILVA, Nº 40888, PARTIDO PSB, COLIGAÇÃO: UNIDOS PARA AVANÇAR I

Após 12 horas de discursos: 44 declaram voto pelo impeachment e 18 contra

Com o discurso do senador Romário (PSB-RJ) foi encerrada a fase de pronunciamento dos senadores no julgamento final do processo de impeachment da presidenta afastada, Dilma Rousseff. No total, 67 senadores se inscreveram, mas quatro desistiram de discursar. Posteriormente Romário se inscreveu, para chegar ao número final de 63 inscritos. Destes, 18 falaram a favor do impeachment, 44 contra e um não declarou abertamente sua intenção de voto.
Em seu discurso, Romário disse ser favorável ao impeachment e não imaginava cumprir o papel de juiz em um processo de impedimento. “É um momento triste quando se decide afastar uma presidente da República”, disse. O senador disse estar convencido que Dilma cometeu crime de responsabilidade. “Estou convencido pelos fatos e amparado pela minha consciência”.

Em uma fala rápida, de menos de cinco minutos, Romário falou em superação da crise e união do país após o afastamento definitivo de Dilma. Ao falar sobre a necessidade de reformas, o senador afirmou que não apoiará propostas que queiram retirar direitos e garantias sociais. “Não apoiarei nenhuma medida que retire conquistas sociais dos trabalhadores. É pelas mãos deles que sairemos dessa situação”, disse.

A sessão dessa terça-feira (30) durou quase 17 horas, incluindo as falas da defesa e da acusação e os discursos dos senadores. Os discursos duraram cerca de 12 horas, tendo iniciado por volta das 14h30 e se encerrado cerca de 2h30 da quarta-feira (31).

Após o voto de Romário, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, que conduz os trabalhos no Senado, disse que a sessão final para votação do julgamento do impeachment da presidenta afastada Dilma Roussef vai ser retomada hoje (31), a partir das 11h. Para o impedimento definitivo, são necessários ao menos 54 votos entre os 81 senadores.

Dez minutos por senador

Cada senador teve 10 minutos para falar da tribuna na etapa de discursos. O primeiro da lista foi Gladson Cameli (PP-AC). Em seguida foi a vez do relator do processo de impeachment na comissão especial do Senado, o tucano Antonio Anastasia (MG), que reafirmou que houve crime de responsabilidade.

Primeiro presidente na história do país a sofrer um impeachment, em 1992, o senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) subiu à tribuna do Senado para declarar que votará favorável ao impedimento da presidenta afastada Dilma Rousseff. Ao embasar seu voto, o ex-presidente aproveitou para provocar movimentos que, em 1992, pediram a sua condenação e hoje defendem o governo petista.

“Faço minhas, hoje, as palavras de dois documentos daquele período”, disse, citando primeiro uma nota assinada em 1º de julho de 1992, por várias entidades, entre elas Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Central Única dos Trabalhadores (CUT), CGT e União Nacional dos Estudantes (UNE).

Ex-ministro da Integração Nacional durante o primeiro governo de Dilma, o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) subiu na tribuna e declarou seu voto favorável ao impeachment. O senador também participou do processo que resultou no impeachment de Collor. “Que não tenhamos ilusões: o novo governo, que poderá ser inaugurado com o nosso voto, é um governo de transição, cujo objetivo principal é reconciliar a Nação, apostando no diálogo para a retomada da confiança, a volta do investimento e para o fortalecimento das nossas instituições e do regime democrático”, disse.

O ex-ministro de Dilma, o senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), negou em sua fala a tese sustentada pela defesa de que esteja em curso um golpe parlamentar contra a presidente afastada. Para o senador, houve manipulação das contas públicas com os decretos de crédito suplementar. "Não estamos julgando apenas atos, estamos julgando hábitos administrativos", disse. O senador Eduardo Lopes (PRB-RJ), ex-ministro da Secretaria de Integração Nacional, também se posicionou pela saída de Dilma.

Contra o impeachment

Ao lado da ex-ministra da Agricultura, Kátia Abreu (PMDB-TO), o ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), uma das mais importantes entidades patronais do país, e ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior de Dilma Rousseff, o empresário Armando Monteiro (PTB-PE) reafirmou o seu voto contrário ao impeachment.

“A política é o exercício da esperança, mas temos que lembrar que as questões mais desafiadoras estão longe de ser resolvidas. Não há nada a comemorar neste momento, senão para se preocupar, pelo menos até que o futuro desminta esse mal presságio do presente”, disse durante seu discurso. “Quero, por fim, reafirmar a minha posição e o meu voto contrário ao impeachment da presidente Dilma”.

Os dois encamparam a defesa de Dilma, protagonizada por sua ex-ministra-chefe da Casa Civil Gleisi Hoffmann, também contrária ao impeachment.

Os senadores Eduardo Braga (PMDB-AM), ex-ministro de Minas e Energia; Edison Lobão (PMDB-MA), que comandou Minas e Energia e, Marta Suplicy (PMDB-SP), que chefiou a Cultura, não subiram à tribuna para discursar.

Discursos da acusação e defesa

A sessão começou pouco depois das 10h com a apresentação dos argumentos finais da acusação e da defesa. Pela acusação, dividiram o tempo de uma hora e meia a advogada Janaína Paschoal e o jurista Miguel Reale Júnior.

Em um discurso pouco técnico e que apelou mais para o aspecto emocional, Janaína chegou a citar Deus e a pedir desculpas a Dilma por saber que a situação que ela vive não é fácil, porque "eu lhe causei sofrimento". "Peço que ela um dia entenda que eu fiz isso pensando também nos netos dela", disse Janaína, com lágrimas nos olhos.

Na sua vez, Miguel Reale Júnior afirmou que houve descumprimento da meta fiscal vigente na edição de decreto de suplementação orçamentária. Ele tembém disse que a presidenta incorreu em crime nas chamadas pedaladas fiscais. “Há crime de responsabilidade, autoria e dolo”. O crime, explicou, está no uso de bancos oficiais para financiar o Tesouro. É uma operação de crédito e foi confirmada pelo Tribunal de Contas da União. O jurista pediu a punição de Dilma Rousseff com a perda do mandato e a inabilitação para a vida pública.

Defesa

O advogado de defesa de Dilma, José Eduardo Cardozo criticou o processo de impeachment e disse que as acusações contra Dilma não têm provas, são confusas e, “no fundo, não passam de pretextos”. Cardozo também afirmou que a petista está sendo afastada “sem que o povo que a elegeu tenha entendido minimamente o crime que tenha praticado” e que a história se encarregará de absolver Dilma.

Ao concluir os argumentos, José Eduardo Cardozo fez apelo aos senadores para aceitarem a proposta de Dilma Rousseff de convocação de plebiscito. Se está se julgando o "conjunto da obra", o povo é que deve decidir, clamou.

Ao deixar o plenário do Senado para o intervalo do almoço, Cardozo, advogado de defesa da presidenta afastada Dilma Rousseff, foi às lágrimas ao conversar com jornalistas. “Nunca deixei de me emocionar diante da injustiça. Aquele que perde a emoção diante da injustiça se desumanizou”, disse.

Cardozo criticou a citação aos netos de Dilma feitas por Janaína Paschoal. “Para quem conhece Dilma Rousseff, pedir sua acusação para defender seus netos é algo que me atingiu muito fortemente”, disse. “Me dói, não como advogado, mas como ser humano. Não é justo falar o que falaram aqui de Dilma Rousseff. Querem condenar, condenem, mas não enxovalhem a reputação de uma mulher digna”, pediu.
Da Agência Brasil

Senado conclui hoje julgamento da presidenta afastada Dilma Rousseff

Os senadores retomam hoje (31), a partir das 11h, a sessão final para votação e julgamento do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. A reunião começará com o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, que conduz os trabalhos no Senado, apresentando uma síntese das alegações finais da acusação e da defesa.

Em seguida, ele deverá responder a algumas questões de ordem que podem ser apresentadas pelos senadores ou pelos advogados sobre a votação. Uma das questões que deve ser colocada é em relação à pergunta que será feita aos senadores no momento de votar.

Está previsto que Lewandowski faça a seguinte pergunta: “Cometeu a acusada, a senhora presidenta da República, Dilma Vana Rousseff, os crimes de responsabilidade correspondentes à tomada de empréstimos junto à instituição financeira controlada pela União e à abertura de créditos sem autorização do Congresso Nacional, que lhe são imputados, e deve ser condenada à perda do seu cargo, ficando, em consequência, inabilitada para o exercício de qualquer função pública pelo prazo de oito anos?”.

A defesa, no entanto, deve questionar se a condenação da presidenta vai implicar necessariamente e automaticamente a perda dos direitos políticos por oito anos, ou se será o caso de fazer essa pergunta separadamente para uma nova votação.

Lewandowski deverá responder unilateralmente a essa e a qualquer outra questão que seja colocada, bem como a pedidos de votação em destaque que sejam apresentados. Suas decisões não poderão ser objeto de recurso ao plenário.

Concluídas essas preliminares, o presidente designará dois senadores favoráveis e dois contrários para fazerem o encaminhamento da votação por cinco minutos cada. Em seguida, será feita a pergunta e aberto o painel para a votação dos senadores. Para que a presidenta seja condenada são necessários pelo menos 54 votos, que equivalem à maioria qualificada, ou dois terços dos 81 senadores.

Embora a votação seja aberta, ela será eletrônica, no painel, e não haverá chamada nominal para que os senadores pronunciem seus votos oralmente. Depois que todos tiverem votado, Lewandowski abrirá o painel e o resultado será divulgado. Ele lavrará a sentença na mesma hora e todos os senadores serão convidados a assinar. Na sequência, será publicada a resolução.

Se a presidenta for condenada, ela será imediatamente notificada, bem como o presidente interino Michel Temer. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), deverá então convocar uma sessão do Congresso Nacional para o mesmo dia, a ser realizada na Câmara dos Deputados, para dar posse a Temer.
Da Agência Brasil

SETEMBRO DOURADO

O mês de setembro será marcado com a cor dourada, em alusão a campanha Setembro Dourado, que visa chamar a atenção para o diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil. A iniciativa é da Confederação Nacional das Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer – CONIACC. Em Natal, participam da ação as Casas de Apoio Durval Paiva e GACC/RN, também os hospitais de referência no tratamento, Policlínica/LIGA e o Hospital Infantil Varela Santiago. 

Confira a programação: 

01/09 Ato solene de Abertura da Campanha no Palácio Felipe Camarão na Prefeitura do Natal 
Ação com palestra educativa nas Unidades Básicas de Saúde em cinco distritos de saúde de Natal: 
05/09 Nova Descoberta 
16/09 Nova Natal 
21/09 Alecrim 
23/09 Oeste 
28/09 Bela Vista 
25/09 Passeio ciclístico com saída da Casa Durval Paiva, GACC, Policlínica/LIGA e Hospital Infantil Varela Santiago e concentração no Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte.

Saiba mais em: www.setembrodourado.org.br

Falha em linha de transmissão no TO causa apagão em 70 cidades do RN

Interrupção aconteceu às 12h49 e o restabelecimento às 13h07.
Fornecimento de energia foi sendo restabelecido gradativamente.

Várias cidades do Rio Grande do Norte sofreram um apagão no início da tarde desta terça-feira (30) devido a um desligamento automático de uma linha de transmissão no Tocantis. De acordo com a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), a ocorrência deixou sem energia 28% dos consumidores em cerca de 70 municípios da região Oeste e parte do Seridó.

Ainda segundo informações da Cosern, a interrupção do fornecimento de energia aconteceu às 12h49. Às 12h56, 60% das unidades consumidoras afetadas já tiveram o fornecimento reestabelecido, e o processo foi totalmente concluído às 13h39.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou que 12 estados tiveram o fornecimento prejudicado e confirmou que a ocorrência teve origem em linhas de transmissão entre as subestações dos dois municípios, seguida da separação das regiões Norte e Nordeste do restante do Sistema Elétrico Interligado (SIN), o que levou a atuação do Esquema Regional de Alívio de Carga (ERAC), na região Nordeste.

Do G1 RN

10 HÁBITOS QUE ESTÃO PREJUDICANDO SEUS RINS SEM VOCÊ SABER

Os rins são órgãos vitais do corpo e sua missão é eliminar as toxinas organismo através da urina.

Fazendo isso, eles regulam os níveis de minerais, como cálcio e fosfato.

Além do mais, podem regular a pressão sanguínea enquanto produzem hormônios essenciais, que são indispensáveis para o bom funcionamento do organismo.

Os rins também ajudam na formação de células vermelhas do sangue, que são responsáveis pelo transporte de oxigênio e nutrientes através do corpo.

Quando os rins estão doentes, podemos detectar sintomas, como vômito, mau hálito, mudança da cor da urina, tonturas, comichão na pele, problemas respiratórios, dor súbita, anemia, fadiga ou cansaço e sensação de frio o tempo inteiro.

Se você notar algum desses sinais de alerta, é bom procurar seu médico.

Mas o que causa a destruição da função renal?

São vários fatores.

Os mais comuns são:

1. Consumir pouca água

A falta de água no organismo pode levar a uma lesão renal significativa.

O sangue fica tão concentrado que o fluxo para os rins é reduzido.

Dessa forma, a capacidade dos rins de eliminar as toxinas do corpo é impedida, causando muitos problemas de saúde.

A quantidade recomendada de água por dia é de pelo menos 2 litros, no caso de uma pessoa adulta.

No entanto, certifique-se de não exagerar, pois o excesso de água pode dificultar a função renal.

E é importante também consumir uma água de boa qualidade.

Substâncias como cloro e flúor, por exemplo, são bastante prejudiciais.

2. Segurar o

xixi

Esta é uma das causas mais comuns de danos aos rins.

Segurar a urina por muito tempo acaba acumulando bactérias na bexiga.

Essas bactérias nocivas causam infecções no sistema urinário. Além disso, manter a urina na bexiga, causa pressão nos rins e leva à insuficiência renal.

3. Fumar

O cigarro é muito prejudicial e todo mundo sabe disso.

Ele danifica todos os órgãos do corpo, incluindo os rins.

Vários estudos têm encontrado uma ligação entre tabagismo e doença renal, e de acordo com a Associação Americana de Pacientes Renais (AAKP), o tabagismo é a principal causa de insuficiência renal terminal (doença renal em estágio final).

Esse mau hábito aumenta a pressão arterial e a frequência cardíaca, reduzindo o fluxo de sangue nos vasos sanguíneos dos rins.

4. Consumir muita proteína

O consumo de quantidades excessivas de alimentos à base de proteínas, como a carne vermelha, aumenta o risco de doença renal.

Portanto, você deve limitar a ingestão de proteínas e, no caso de problemas renais, verificar com seu médico qual deve ser o percentual do consumo delas em sua dieta, a fim de evitar complicações posteriores.

5. Ingerir sal em excesso

O uso regular de quantidades elevadas de sal danifica os rins e causa diversos problemas de saúde.

Este órgão metaboliza até 95% do sódio consumido através dos alimentos.

No caso de quantidades excessivas de sal, os rins precisam trabalhar muito mais para eliminá-lo, diminuindo sua função e aumentando a pressão sanguínea.

6. Dormir pouco

Muita gente ignora a importância do descanso.

No entanto, uma boa noite de sono de 7 a 8 horas é essencial para o corpo.

Os tecidos dos órgãos se renovam durante esse período. Se isso não acontece, muitas complicações surgem, principalmente nos rins.

Numerosos estudos têm mostrado que o sono inadequada leva a um aumento da obstrução das artérias (aterosclerose) e a pressão arterial alta, que elevada a probabilidade para o desenvolvimento de doenças renais.

7. Tomar frequentemente analgésicos

Muita gente usa analgésicos e medicamentos para tratar a dor, reduzir a inflamação e curar vários problemas de saúde.

No entanto, essas drogas danificam os rins e outros órgãos do corpo.

Se você não sabe, os analgésicos podem reduzir o fluxo de sangue para os rins e obstruir a sua função.

Assim, o uso a longo prazo destas drogas pode causar doenças renais crônicas, como a insuficiência renal aguda.

8. Consumir muita cafeína

Excesso de cafeína aumenta a pressão sanguínea e a pressão sobre os rins, provocando problemas renais.

O consumo exagerado de cafeína está diretamente ligado a cálculos renais.

Ressalte-se, porém, que o consumo moderado de café ou chá (com cafeína) não é prejudicial.

Mas você deve evitar a ingestão de bebidas energéticas e refrigerantes com essa substância.

9. Abusar de bebidas alcoólicas

Estas bebidas levam toxinas para os rins e fígado, em excesso, causam danos renais.

Se você costuma beber muito álcool, saiba que o ácido úrico é armazenado nos túbulos renais, conduzindo à obstrução tubular que eleva o risco de insuficiência renal.

Além disso, o álcool desidrata o corpo e, assim, prejudica a atividade normal dos rins.

10. Menosprezar o tratamento de infecções comuns

Danos nos rins também podem ser o resultado de negligência.

Se você está com tosse, resfriados, gripe, amigdalite e faringite, então deve procurar se tratar.

O desleixo por uma infecção não tratada pode causar danos nos rins.

Então cuide do seu corpo: fortaleça a imunidade com antibióticos naturais e procure consultar-se com um bom médico.
Fonte: Cura pela Natureza